TBO deve ser realidade em breve

TBO deve ser realidade em breve

Rio Negrinho – Na manhã desta quarta-feira (24) a diretoria do Samae reuniu a imprensa, com a presença de alguns vereadores, para falar dos projetos e das ações que vêm sendo executadas pela Autarquia. A previsão é de mudanças para este ano de 2021, algumas que podem impactar diretamente na conta de água do consumidor.

Valdir Caetano Junior, presidente do Samae, falou para os jornalistas sobre o momento que a Autarquia está vivendo, com algumas situações que carecem de atenção pontual pra melhorar o serviço e o atendimento ao cidadão. Conforme explicou, a pedido do prefeito, Caio Treml (PL), segue com rigorosidade a regra de economia em todos os sentidos. “O Samae trabalhava com um número maior de servidores. Eram 65 e hoje estamos com 53 para atender a demanda. Mas a necessidade de contenção para economizar o dinheiro público é maior e vamos conseguindo fazer o melhor otimizando o nosso pessoal”, disse.

Para o presidente, é preciso priorizar algumas questões internas, como reequipar os setores com novos computadores que possam servir bem as necessidades internas e de atendimento ao consumidor. “Temos dificuldades para seguir com alguns trabalhos que dependem de tecnologia. Os computadores do Samae estão ultrapassados há algum tempo. Vamos ter que fazer esse investimento o quanto antes”, explicou.

Valdir Caetano Júnior, presidente do Samae de Rio Negrinho

Taxa Básica de Operação

O assunto principal foi tratado pelo Engenheiro Sanitarista Hugo Binder, que responde pela parte técnica. Ele apresentou um mapa dos trabalhos que estão sendo realizados, explicou o funcionamento de manutenção da rede coletora de esgoto, bem como do tratamento da água. Mas o assunto principal foi a criação da TBO – Taxa Básica de Operação, que deve ser instituída em breve na cidade.

Binder explicou todo mecanismo de funcionamento da TBO, sendo questionado pelos vereadores presentes quanto aos valores. “Temos uma agência reguladora que realiza estudos e presta apoio aos municípios para que cheguem às suas conclusões de valores. Mas é importante que a TBO seja compreendida por todos para que cada um faça a sua parte, inclusive com economia de água para o bem do Meio Ambiente e das finanças de família”, disse.

Primeiro com a Câmara

O presidente da Câmara, Arlindo André “Piska” da Cruz (PP), sugeriu ao Samae iniciar com antecedência uma campanha explicativa, para que a população compreenda o mecanismo de funcionamento e a prática para pagamento da taxa de água, que traz com ela a taxa do serviço do recolhimento e tratamento de esgoto e ainda da coleta do lixo.

Hugo Binder destacou que faltam alguns detalhes para colocar a TBO na Lei que será enviada para a Câmara, mas não precisou a data em que será encaminhado o projeto.

Fotos: Luzardo Chaves/O Jornaleiro